Uma reflexão sobre o comportamento das aves nos dias mais frios e sugere que nós também sejamos mais resilientes.

Leia abaixo a crônica de Ciro Porto* | “Terra da Gente”

E mais uma vez chega o Inverno. Para quem mora abaixo da linha do Equador, desde 20 de março, o primeiro dia do Outono, quando dia e noite tiveram a mesma duração, os dias foram pouco a pouco ficando mais curtos do que as noites. Até 20 de junho, quando tivemos a noite mais longa do ano, o solstício de Inverno.

E é justamente a partir da chegada dessa estação que o dia começa a espichar para, no primeiro dia da Primavera, novamente ter a mesma duração da noite. E então as noites vão encurtando até o Verão chegar.

Inverno, no mundo das aves brasileiras, não significa apenas frio, mas também seca e falta de alimentos. É um tempo de dificuldades. Há exceções: as aves aquáticas, por exemplo, têm mais facilidade para encontrar os peixes.

Mas para a maioria das aves é mesmo um período de provação. As aves, assim como os mamíferos – entre os quais nos incluímos – são animais endotérmicos (de sangue ‘quente’), ou seja, têm a capacidade de manter a temperatura do corpo sem depender da temperatura do ambiente externo. Porém, essa capacidade é limitada.

É comum observar nesta estação algumas espécies mais quietas — Foto Ananda Porto.TG - 'Inverno é tempo de refletir e aprender com a natureza', uma bela e reflexiva crônica de Ciro Porto
É comum observar nesta estação algumas espécies mais ‘quietas’ — Foto Ananda Porto/TG

Imagine: nós, no Inverno, nos agasalhamos mais e comemos mais, justamente para preservar o calor de nosso corpo e termos energia para mantê-lo na temperatura ideal.

Já as aves, o máximo que conseguem fazer é eriçar as penas na tentativa de evitar a perda de calor do corpo. É comum, ainda, encontrar aves pousadas bem juntas, como se quisessem aquecer umas às outras. Ou então sozinhas, ao sol, com cauda e asas abertas.

No inverno as aves precisam de mais energia para manter os corpos aquecidos — Foto Ananda Porto.TG - 'Inverno é tempo de refletir e aprender com a natureza', uma bela e reflexiva crônica de Ciro Porto
No inverno as aves precisam de mais energia para manter os corpos aquecidos — Foto. Ananda Porto/TG

Quando você estiver observando aves nessa época, com certeza irá encontrar, principalmente pela manhã, várias aves ‘arrepiadas’ nos mais diversos poleiros. Talvez você já tenha ouvido o termo ‘encorujado’, como sinônimo de quieto.

Quando encontramos corujas durante o dia, elas costumam estar mesmo quietas, poupando energia para caçar à noite. Agora no Inverno, ao observar a passarada, temos a impressão de ver quase todas as aves ‘encorujadas’. E estão mesmo!

Termo encorujado faz referência a estar quieto ou acolhido — Foto Ananda Porto. TG - 'Inverno é tempo de refletir e aprender com a natureza', uma bela e reflexiva crônica de Ciro Porto
Termo encorujado faz referência a estar quieto ou acolhido — Foto Ananda Porto/ TG

Na verdade, apesar dos nossos agasalhos, com a gente não é tão diferente. O Inverno nos remete a ler, meditar, pensar na vida…

Quem costuma alimentar aves com ração ou frutas, sabe muito bem que nessa época aumenta o número de interessados em refeições oportunas, assim como os visitantes dos comedouros diminuem quando a natureza volta a oferecer alimento.

De fato, podemos afirmar: no mundo das aves, o Inverno é tempo de testar a resiliência, ou seja, a capacidade de suportar adversidades durante períodos difíceis para voltar ao normal, assim que possível.

Inverno é o tempo de aprender com as aves — Foto Ananda Porto.TG - 'Inverno é tempo de refletir e aprender com a natureza', uma bela e reflexiva crônica de Ciro Porto
Inverno é o tempo de aprender com as aves — Foto. Ananda Porto/TG

Com as aves sempre podemos aprender. Em muitos períodos de nossas vidas, enfrentamos ‘Invernos’ diferentes. Muitas vezes, a perda de um ente querido tira a cor de nossas vidas. Em outras, como ao perder um emprego, conhecemos a desesperança.

Num mundo onde impera a má notícia, é comum notarmos que a nossa vida se torna seca, como a natureza num rigoroso Inverno. Mas, assim como no mundo das aves é no Inverno que o sol começa a encompridar os dias, anunciando a renovação da vida na Primavera, nós podemos também perceber uma nova vida que sempre se anuncia, seja qual for o ‘Inverno’ que atravessamos.

Por esta época, acabamos de comemorar as festas juninas – Santo Antônio, São João e São Pedro – tempo de fogueiras, simbolizando a luz, seja ela a do sol que volta a iluminar nosso hemisfério, ou luz interna de nossos corações, uma luz invisível, mas que nunca se apaga.

Nos meses mais frios as aves buscam alimento em comedouros — Foto Ananda Porto.TG - 'Inverno é tempo de refletir e aprender com a natureza', uma bela e reflexiva crônica de Ciro Porto
Nos meses mais frios as aves buscam alimento em comedouros — Foto. Ananda Porto/TG

Ao passar pelo Inverno – seja ou não o da estação, seja exterior ou interior – faça como as aves que não migram: seja resiliente. Não negue a dificuldade, aceite-a, mas considere-a passageira. Acenda uma fogueira – seja como a da festa junina, para aquecer seu corpo, ou em seu coração, para queimar o que não serve, suas dores, suas mágoas – e assim ilumine sua vida.

Em nossos ‘Invernos’ sempre podemos aprender mais e a partir de nós mesmos. Caso se sinta sozinho, junte-se a outros, como fazem as aves. Se sentir muito frio, vire-se para o sol da manhã.

Seja lá como for, nunca se esqueça que o Inverno existe para anunciar a Primavera.

Ao passar pelo Inverno – seja ou não o da estação, seja exterior ou interior – faça como as aves que não migram: seja resiliente. Não negue a dificuldade, aceite-a, mas considere-a passageira. Acenda uma fogueira – seja como a da festa junina, para aquecer seu corpo, ou em seu coração, para queimar o que não serve, suas dores, suas mágoas – e assim ilumine sua vida.

Neste inverno acenda a sua luz interior — Foto Ananda Porto.TG - 'Inverno é tempo de refletir e aprender com a natureza', uma bela e reflexiva crônica de Ciro Porto
Neste inverno acenda a sua luz interior — Foto. Ananda Porto/TG

Em nossos ‘Invernos’ sempre podemos aprender mais e a partir de nós mesmos. Caso se sinta sozinho, junte-se a outros, como fazem as aves. Se sentir muito frio, vire-se para o sol da manhã.

Seja lá como for, nunca se esqueça que o Inverno existe para anunciar a Primavera.

* Ciro Porto, é um escritor, jornalista e apresentador de televisão. Formado em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCC), é diretor geral de Jornalismo da EPTV e apresentador do programa “Terra da Gente” EPTV/Campinas. | G1.

COMENTÁRIOS




Revista Ecos do Saber
"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." - Cora Coralina