por Afua Hirsch/ The New York Times – tradução Clauda Bozzo/ O Estado de São Paulo

NOVA YORK – A imprensa britânica conseguiu seu aparente objetivo de perseguir Meghan Markle, a duquesa de Sussex, para fora do Reino Unido. O que ela não contava, no entanto, era a perda, junto com ela, do príncipe Harry – um integrante muito amado da realeza e uma parte essencial da marca global da família.

Em um comunicado divulgado nesta semana, os dois disseram que querem “desempenhar um novo papel progressivo” dentro da família real e pretendem abdicar à posição de “membros ‘seniores’, trabalhando para se tornar financeiramente independentes”.

A imprensa britânica reagiu com surpresa à “chocante mudança para o exterior” descrito de várias maneiras como “sísmica”, “egoísta”, “desonesta” e “uma abominável falha de julgamento”.

Se a mídia prestasse mais atenção à comunidade negra do Reino Unido, talvez achasse o anúncio muito menos surpreendente. Com um novo primeiro-ministro cujo histórico inclui declarações abertamente racistas, algumas das quais fariam até Donald Trump corar, um projeto como o Brexit, ligado ao nacionalismo nativo e a um desejo de livrar o Reino Unido de um grande número de imigrantes, e um denso aumento da nostalgia imperial, muitos de nós (negros britânicos) também estaríamos pensando em mudar.

Desde a primeira manchete sobre ela ser “(quase) diretamente saída de Compton” (cidade da Califórnia com elevado índice de criminalidade) e ter um DNA “exótico”, o tratamento racista a Meghan tem sido impossível de ignorar. A baronesa Marie Christine von Reibnitz, casada com o píncipe Michael de Kent, usou um broche racista na companhia da duquesa.

Um apresentador da BBC comparou o bebê recém-nascido do casal a um chimpanzé. Depois, houve a sugestão altamente ridícula de que o consumo de abacate de Meghan é responsável por assassinatos em massa, enquanto seu livro de receitas de caridade era retratado como tendo, de alguma forma, ajudado terroristas.

Aqueles que afirmam que os ataques frequentes contra a duquesa não têm nada a ver com sua cor, encontram dificuldades na hora de explicar tais tentativas de vinculá-la a formas de crime com um viés particularmente racial – terrorismo e atividades de gangues -, além do fato de ela ter sido atacada da maneira mais venenosa por atos que atraíram elogios quando outros membros da realeza os fizeram.

Sua decisão de editar a Vogue britânica, por exemplo, foi condenada por grande parte da mídia britânica, em contraste com o príncipe Charles, duas vezes convidado para editar a revista Country Life, o príncipe Harry para um programa da BBC e Kate Middleton no Huffington Post, todos discretamente elogiados na época.

O tratamento recebido por ela provou o que muitos de nós sempre soubemos: não importa quão bonita você seja, com quem se case, que palácios ocupe, instituições de caridade que apoie, como seja fiel, quanto dinheiro você acumula ou que boas ações realiza nesta sociedade, o racismo ainda lhe seguirá.

Na rígida sociedade de classes da Grã-Bretanha, ainda há uma profunda correlação entre privilégio e cor. As relativamente poucas pessoas negras – e menos ainda, se você contar apenas as que têm herança africana – que alcançam um sucesso e prosperidade proeminentes na Grã-Bretanha costumam frequentemente ouvir que devem ser “gratas” ou sair do país se não gostar daqui.

O legado da história do império britânico – uma construção global baseada em uma doutrina da supremacia branca – seu papel pioneiro no comércio de escravos e nas ideologias do racismo que o permitiram, além de políticas de recrutamento de pessoas do Caribe e da África para trabalhos mal pagos e discriminação contra eles na educação e na moradia, está conosco hoje em dia: o escândalo que envolveu a deportação injusta do povo negro britânico nos últimos anos ainda reverbera.

A decisão de Meghan de ingressar na família que é o coração simbólico do establishment responsável por essa conturbada história foi desconcertante para muitos britânicos negros, pois nos perguntávamos se ela apreciava completamente a instituição na qual ingressara.

Tanto ela como Harry parecem ter adquirido uma visão cristalina da realidade deles. Não é de admirar que o casal queira sair e – como a declaração codificada de que eles querem criar seu filho Archie “com espaço para se concentrar no próximo capítulo” – parece sugerir que o estão protegendo da irascibilidade à qual foram expostos.

A imprensa britânica, tendo atacado seguidamente o casal, agora reage com choque a essa medida. Mas as pistas já existiam há algum tempo para quem quisesse lê-las.

Houve a decisão de não dar a Archie um título desde o nascimento – algo que é esperado entre os filhos da realeza, mas que Meghan e Harry parecem ter escolhido evitar. Depois, houve os rumores de que eles poderiam se mudar para um país no sul da África.

Nos últimos meses, o casal começou a ignorar os canais oficiais da realeza e a se comunicar diretamente com a imprensa – principalmente quando a duquesa disse em um documentário na televisão que ela achava “difícil” se adaptar à vida real, e Harry revelou que a trágica experiência da morte de sua mãe, a princesa Diana, o fez querer “proteger” sua mulher e família.

Todos eram sinais de que o casal não acataria os negócios da realeza como de costume, ao ponto de, mesmo anunciando essa decisão de deixar o cargo mais sênior de realeza, parece ter tomado de surpresa o Palácio de Buckingham.

Não estou nem um pouco surpresa. Esta foi a sombra amarga de um ensolarado casamento em maio de 2018. Quantos de nós suspeitamos – esperando, mas duvidando que estivéssemos errados – que o que realmente iniciaria Meghan em seu novo papel de britânica com herança africana seria sua experiência com o racismo britânico.

E, ironicamente, a decisão de Harry e Meghan de ir embora do Reino Unido pode ter sido o ato mais importante de liderança real que eu já vi.

O comunicado:

View this post on Instagram

“After many months of reflection and internal discussions, we have chosen to make a transition this year in starting to carve out a progressive new role within this institution. We intend to step back as ‘senior’ members of the Royal Family and work to become financially independent, while continuing to fully support Her Majesty The Queen. It is with your encouragement, particularly over the last few years, that we feel prepared to make this adjustment. We now plan to balance our time between the United Kingdom and North America, continuing to honour our duty to The Queen, the Commonwealth, and our patronages. This geographic balance will enable us to raise our son with an appreciation for the royal tradition into which he was born, while also providing our family with the space to focus on the next chapter, including the launch of our new charitable entity. We look forward to sharing the full details of this exciting next step in due course, as we continue to collaborate with Her Majesty The Queen, The Prince of Wales, The Duke of Cambridge and all relevant parties. Until then, please accept our deepest thanks for your continued support.” – The Duke and Duchess of Sussex For more information, please visit sussexroyal.com (link in bio) Image © PA

A post shared by The Duke and Duchess of Sussex (@sussexroyal) on

O comunicado emitido pelo duque e a duquesa de Sussex:

“Depois de meses de reflexão e discussões internas, decidimos fazer uma transição este ano, começando a desempenhar um novo papel progressivo nessa instituição. Pretendemos dar um passo atrás como membros ‘seniores’ da Família Real e trabalhar para nos tornar financeiramente independentes, continuando a apoiar totalmente Sua Majestade, a Rainha.

É com seu encorajamento, principalmente nos últimos anos, que nos sentimos preparados para fazer esse ajuste. Agora, planejamos equilibrar nosso tempo entre o Reino Unido e a América do Norte, continuando a honrar nosso dever para com a Rainha, a Commonwealth e nossos patrocínios.

Esse equilíbrio geográfico nos permitirá criar nosso filho com a tradição real em que ele nasceu, além de proporcionar à nossa família o espaço para se concentrar no próximo capítulo, incluindo o lançamento de nossa nova entidade beneficente.

Esperamos ansiosamente compartilhar todos os detalhes deste emocionante próximo passo no devido tempo, enquanto continuamos a colaborar com Sua Majestade, a Rainha, o Príncipe de Gales, o Duque de Cambridge e todas as partes relevantes. Até lá, por favor aceitem nossos mais profundos agradecimentos pelo apoio contínuo.”

**Ler a matéria original aqui.

*com informações The New York Times  / O Estado de São Paulo

COMENTÁRIOS




Revista Ecos do Saber
"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." - Cora Coralina